Sobre uma Coluna da Folha

Bom dia a todos! Criei hoje uma nova categoria de Post aqui no Blog: “Opinião”.

Hoje cedo, ao ler o jornal “A Folha de S. Paulo”, uma coluna na Ilustrada me fez refletir…

A idéia aqui não é, nunca, criticar ninguém. Apesar de compreender a natureza do ofício, não é algo que me agrada fazer. E, neste caso, não teria nem gabarito para tal. Exerço simplesmente o livre direito de expressão. Por isso o nome “Opinião” e não “Verdade sobre a questão”.

A Coluna é entitulada “100%”, de Luiz Felipe Pondé. Ia colocar o link, mas lembrei que é necessário ser assinante para acessar o conteúdo online. Só consegue ler quem tiver o jornal ou for assinante do provedor.

É complicado reproduzir o texto de outra pessoa, e não é esta a proposta. Podem ocorrer muitos desvios. Eu quero apenas expressar as reflexões que tirei após a leitura.

Ele fala da um novo tipo de vícios: a geração saúde. Critica um outro excesso de comportamento além de excesso de comida, cigarro, álcool ou sexo, que este grupo condena.

Gostei muito da argumentação e algo que ficou claro para minha interpretação foi: a idéia de que apesar de ser um hábito saudável, é excesso da mesma forma. E outra idéia, esta literal: eles querem cuidar bem do corpo para fugir da morte, algo inevitável. Para aqueles deste grupo que pensam assim, sou obrigada a concordar com ele, já que seria uma ilusão. E é este o título do texto: temos 100% de certeza de que iremos morrer.

Eu entendi um incômodo em quem não segue este padrão, pela atitude algumas vezes arrogante de quem segue, daí a argumentação dele. Não concordei com outros argumentos, mas aquele é o espaço dele e é ótimo poder ler diferentes pontos de vista.

A reflexão que eu fiz é uma idéia que venho observando há algum tempo… Analisando o comportamento humano com minha humilde vivência, incluindo meus defeitos, e não apenas observando os outros, vejo como ainda somos “radicais”… Para aprender, precisamos ainda do extremo. No assunto abordado pela coluna, primeiro vem o abuso e com o tempo, comprovações científicas que isso ou aquilo demais (ou de menos) faz mal.

Depois as pessoas, sem perceberem, ansiosas em resolver uma questão que detectaram erradas em si mesmas, vão para o outro extremo. E, conseguindo ou não o equilíbrio neste novo aprendizado, em vez de orientarem as outras para que cheguem ao mesmo patamar, criam uma nova “tribo” e, com arrogância, mostram o que aprenderam não para ajudar, mas para enaltecer a própria vaidade.

E em vez de trocarem conhecimentos, as diferentes tribos gastam energia somente defendendo seu ponto de vista ou pior: criticando os outros, gerando discórdia no cotidiano. Isso vale para tudo… Neste exemplo, se não houvesse arrogância de quem sai do vício ou de quem nem chegou a conhecê-lo, por exemplo, talvez não houvesse a necessidade de uma forma de expressão. Todos temos o direito de sermos quem somos, de fazermos nossas escolhas e de mudar, se necessário, cada um a seu tempo.

Eu não concordo muito com TODO o conteúdo da coluna do Luiz Felipe Pondé, pois acho interessante a busca pela saúde e por meus hábitos talvez eu fosse “purinha” em sua concepção. Entretanto, compreendo que não adianta mudar de comportamento e querer obrigar seu modo de vida ao outro.

Vale lembrar, porém, que muito do que ainda vemos como exagero talvez nos seja revelado como verdade no futuro, assim como muitos hábitos antigos (como o glamour do cigarro, por exemplo) que um dia eram comuns ao cotidiano, hoje são reconhecidos como malefícios. Quem estava fora, à época, também era ridicularizado.

Não existe dono da verdade, então, penso que a democracia é mesmo a melhor forma de regime político (deve apenas ser melhorada, não abolida) pois podermos trocar idéias é fundamental. Cada um que siga em paz em sua trajetória, que aprenda com o que precisar em sua vida. Foi isso que a leitura da coluna fez com que eu refletisse: a importância do direito de cada um e o quanto ainda precisamos nos isolar em grupos opostos, exercitar sua identidade para um dia encontrarmos o equilíbrio entre eles.

Encontrei dois links interessantes sobre o colunista da Folha. Um traz seu currículo:

http://www.verdestrigos.org/sitenovo/site/cronica_lista.asp?autor=416

… e outro uma entrevista para o “Café Filosófico”, da Cultura:

http://www.cpflcultura.com.br/post/cafe-filosofico-entrevista-com-luiz-felipe-ponde.

Ele vale a pena ser lido!

Eu me despeço por aqui, amigos. Temos vidas atribuladas, mas nunca devemos deixar de refletir, pois é isso que nos faz crescer!

Bom dia a todos!

Camila Lopes Pigato

Fonte da imagem: http://peregrinacultural.files.wordpress.com/2009/11/luiz-costa-leitor-de-jornal198365x50ase.jpg

Anúncios